Meu Malvado Favorito

Por Victor Mesquita

michael-schumacher-bangkok.jpg

Nesses 26 anos de vida, em boa parte, fui um grande fã de Fórmula 1. Acordava cedo nas manhãs de sábado, para acompanhar os treinos classificatórios e aos domingos, logicamente, para assistir às corridas. Mas tinha um detalhe: se eu perdesse a largada, o tesão ia por água abaixo e eu nem fazia mais questão de assistir ao resto.

E quem não somente me acompanhava, como também me incentivava a assistir ao espetáculo proporcionado por aqueles pilotos destemidos, era meu avô, Aloysio, vulgo Lulu (ah, quanta saudade!!!). Às 8 horas da manhã de sábado e às 9 horas de domingo, era lei: ele sentado em sua poltrona e eu no chão, assistindo a mais uma corrida.

E quando chegávamos à época da pré-temporada, era o seu velho radinho quem nos mantinha informados sobre o que ocorria nos bastidores: troca de pilotos, calendário de corridas, mudança nas regras e por aí vai.

Pouco pude acompanhar da carreira de Ayrton Senna, um monstro idolatrado por todos. Mas lembro-me bem do fatídico episódio de 1994, e no momento em que Senna bateu, corri pela casa gritando: “Senna bateu! Senna bateu forte!”. Mesmo aos 4 anos, fui tomado pelo desespero. Entendia que ali, Senna havia morrido, fato confirmado horas mais tarde.

Porém, meu amor pela Fórmula 1 não morreu naquele momento. Dali para frente ele só cresceria, e tudo graças a um nome: Michael Schumacher.

O que esse cara fez nas pistas foi genial! Sua audácia, velocidade, seus milagres, estratégia, trabalho em equipe, tudo mesmo, Schumacher revolucionou uma era. E me desculpe quem diz que só venceu por ter o melhor carro, pois não adianta ter o melhor carro e não ser O Melhor.

Vendido como Dick Vigarista pela imprensa brasileira que, sendo bastante hipócrita, prefere não lembrar do que Senna fez a Prost naquele GP do Japão, em 1990. Mesmo sendo uma vingança pelo ano anterior, o brasileiro poderia ter causado um acidente grave. Por que não ser um vilão? E não, eu também não concordo que seja, mas isso também faz parte do show.

As voltas rápidas de Schumacher, nos treinos classificatórios, eram mágicas. Principalmente a sua última, onde, geralmente, batia o melhor tempo por questão de milésimos de segundos. Sua corrida era calculada e, quando não era o mais rápido, usava e abusava da estratégia, fazendo com que desse certo. Dava o seu máximo nas voltas que antecediam seu pit stop e quando voltava, havia ganho preciosos segundos e uma posição.

Lindos foram os duelos com Hakkinnen, Hill, Villeneuve e Alonso. Grandes corridas. Sem esquecer dos companheiros Eddie Irvine e Rubens Barrichello, fiéis escudeiros. Mas convenhamos que com o último, naquela corrida na Áustria, houve uma atitude desnecessária, uma mancha que jamais será esquecida.

É o maior campeão do mundo, até o momento; o gênio dos milésimos de segundo. E que, junto à sua aposentadoria (a primeira, pois a segunda não conta), levou meu tesão de assistir corridas.

Mas a culpa não foi só dele, pois o que fizeram e estão fazendo com a Fórmula 1 é ridículo. O dinheiro tomou conta do talento e, hoje, há carros que conseguem ser 4 segundos mais lentos que o normal. São verdadeiros talentos desperdiçados.

Para completar a história, um acidente tão bobo, tira “sua vida”, pois, sejamos verdadeiros, vegetar não é viver. Ironia, pois um acidente terrível em Silverstone, no ano de 1999, “somente” quebrou suas pernas e o deixou inativo por um curto período de tempo.

A vida nos apronta surpresas como essas, e nos prova que nem os homens mais fortes e corajosos estão livres do fim, mesmo que seja da maneira mais ridícula.

Muito obrigado, Schumacher, pelos domingos fantásticos que me proporcionou. Obrigado pelo show, pelas dobradinhas do hino alemão e italiano e pelos pódios.

Obrigado por ter sido o ídolo perfeito: com qualidades e defeitos, erros e acertos.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s