A importância de um Capitão

Texto: Victor Mesquita

Para uns, um mero símbolo do time. Para outros, sinônimo de força e liderança.

Utilizando alguns critérios equivocados na escolha dos capitães de seus elencos, a maioria dos clubes brasileiros tem colocado em tal posto seu jogador mais valioso financeiramente. Ao desconsiderar outros fatores mais importantes, como a estrutura emocional do atleta e a capacidade de unir o grupo, a adoção de critérios equivocados pode ter efeitos nocivos ao time, trazendo à tona alguns problemas internos e, principalmente, ampliando a guerra de vaidades dentro e fora de campo. Isso divide qualquer elenco.

Essa escolha se justifica devido à atual carência de ídolos e de jogadores que subam da base e permaneçam no clube. Mas isso é papo para outro post.

Um grande exemplo de Capitão ideal foi o Dunga, líder da Seleção de 94. Era um jogador de personalidade, além de ser bastante valente dentro de campo. Não era o craque do time – na ocasião era o baixinho Romário – mas sua postura encorajava o time durante as partidas, algo determinante na união daquele grupo que conquistou o título Mundial.

No Brasil, Rogério Ceni é o melhor exemplo de capitão. Mesmo que haja alguns “exageros” em sua função, como a interferência nas escolhas dos treinadores, Ceni conhece o São Paulo como ninguém. Seus mais de 20 anos no clube o credenciam para ter voz ativa do vestiário à presidência.

Além disso, coloca-se à frente do elenco nas entrevistas coletivas e nas reportagens de campo. Utilizando de coragem, defende o elenco nas fases ruins e exalta nos momentos certos. Além disso, sua experiência ajuda a passar confiança para os jogadores recém-promovidos da base, e o põe como referência para os que ainda estão lá.

Como exemplo negativo de capitão, temos o caso do Thiago Silva. A Copa do Mundo de 2014 expôs ao mundo e ao próprio jogador sua incapacidade de liderar uma equipe que está – ou estava – no topo do futebol mundial. A cena marcante de seu choro antes das cobranças de pênaltis no jogo contra o Chile pôs em evidência o desequilíbrio emocional do zagueiro, desbotando sua reputação no mais importante dos palcos.

Outro ponto lamentável foi que, no pós-Copa, ao ver a braçadeira de Capitão da Seleção Brasileira ir parar nas mangas da camisa de outro jogador, Thiago convocou uma coletiva pedindo explicação por parte da CBF e do agora treinador Dunga, mostrando-se frágil e incapaz de utilizá-la novamente. Para piorar sua situação, no ultimo ano sua queda de produção foi incrível, não somente na Seleção como também no PSG.

Na opinião deste que vos escreve, o Capitão deve respeitar seus companheiros acima de tudo; tem que saber se impor perante as divergências do elenco; não só deve ter seu lado psicológico bem trabalhado, como também ter a capacidade de saber trabalhar o de seus companheiros e tem que ser o braço direito do técnico dentro e fora de campo, dando a cara à tapa quando necessário.

E você, amigo leitor, está satisfeito com o capitão do seu time? Participe nos comentários.

Um abraço!

soccer-1994-fifa-world-cup-final-brazil-v-italy-rose-bowl-pasadena-4-630x420

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para A importância de um Capitão

  1. Gabriel Gomes disse:

    Ter Pablo Guiñazú como capitão do seu time preenche a maioria dos requisitos. É impressionante como a rivalidade histórica com os Hermanos, é completamente anulada e esquecida quando um argentino joga no seu time. Guina é um representante incontestável de raça e liderança. Estou satisfeito.

    Curtir

  2. Bruno Amaral disse:

    Mas… Rogério Ceni é chato pacaralho.

    Curtir

  3. Concordo com o Gabriel.
    Aquela que ele fez em 2013, mesmo lesionado e sem condições de jogo e viajando com o grupo, foi foda!

    Curtir

  4. alanparada disse:

    Muitos não gostam do Fred.
    Mas para mim, ele é, hoje, o capitão ideal para o Fluminense.
    Está desde 2009, um dos maiores artilheiros da história do clube, já é experiente (31 anos) e está há mais tempo no clube do que o próprio Presidente.
    Já foi contestado (época dos caipi-saquês), mas hoje é praticamente unanimidade na torcida, dá a cara na hora ruim, não se importa com o que vão pensar quando ele falar e a atitude de ficar, mesmo depois da saída da Unimed fez ele ter o respeito aumentado diante dos jovens e dos outros jogadores que estão na mesma situação dele…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s